Médicos em Salvador e o Selo Savana de Qualidade

medica

Quantas vezes você já trocou de médico pelos mais diversos motivos? Vou listar alguns: o “santo não bate”, o atendimento atrasa, a agenda é apertada, ele(a) não dá a devida importância aos seus sintomas, não passa segurança…

Longe de mim querer tacar pedras na galere, mas a questão é que as consultas, cada vez mais, se assemelham a 10 minutos de interrogatório, finalizado com um sonoro barulho de carimbo na prescrição e o quase audível chamado do “próooximooo”. Burocrático demais, humano de menos. É difícil encontrar um profissional que tire os olhos do computador/teclado e passe alguns minutos ouvindo e conversando com o paciente.

Aos que estão do outro lado da mesa, resta a peregrinação – e uma boa dose de sorte – na hora de montar a própria “equipe”. No geral, tenho me saído bem na missão e trago aqui algumas indicações de médicos em Salvador que carregam o Selo Savana de Qualidade.

Selo Savana de Qualidade

Ainda não fiz a cirurgia, portanto, talvez a lista seja atualizada. Por enquanto, recomendo os seguintes (ao clicar no link, você será redirecionado para a minha opinião sobre cada serviço):

Ginecologista – Ana Maria Lago Bahiense – Gineprev
Endocrinologista – Patrícia Viterbo – Clínica Humana
Alergologista – Gabriela Castro – Alergodermo Clin
Pneumologista – Manoela Trindade Fontes – CEPS
Cirurgião de cabeça e pescoço – Dr. Augusto Mendes

[Bônus] – listinha de lugares onde fiz meus exames e aprovei o atendimento:
PAAF – Clínica AFAC – Álvaro Silva
Laboratórios – Labchecap; Laboratório Sabin
Diagnóstico por imagem – CAM – Clínica de Assistência à Mulher; Delfin Imagem
C
línica MM – Consultório do Dr. Augusto Mendes – (71) 3247-3436 – Ainda vou escrever uma opinião sobre. =)

Anúncios

PAAF de tireóide – O primeiro terror (?)

Oiê!

De imediato, sim. Saber que precisariam colocar uma agulha no meu pescoço me deixou bastante apreensiva. A endocrinologista fez algumas indicações de especialistas, mas optei por seguir a de minha mãe, que já tinha passado por um procedimento semelhante e tinha ficado satisfeita com o tratamento recebido.

Liguei para a AFAC, no Canela, e agendei o procedimento com o Dr. Álvaro Silva (guarde bem esse nome! Espero que você nunca precise, mas se for o caso…). No dia marcado, cheguei com antecedência e fiquei aguardando a minha vez. Durante esse período de espera, dá medo, a pessoa fica tensa, pensa em fugir para as colinas, mas no fim de tudo é chamada e “obrigada” a entrar na sala da consulta.  Por ser a última paciente e do dia, imaginei que encontraria um profissional doido pra ir embora e meio carrancudo, mas ele foi super simpático e me fez rir consideravelmente antes da agulhada. Ele tem mãos abençoadas, pois não senti muita dor e o desconforto foi o mínimo possível – e isso pq não tive anestesia!

Na hora, a dor é comparável com a de um exame de sangue. O que incomoda mesmo é a movimentação da agulha, pois é preciso aspirar várias partes do nódulo para ter maior precisão no diagnóstico. O procedimento completo não levou nem cinco minutos e no final ganhei um curativo decorativo.

A foto está péssima, mas a intenção foi boa

No mesmo dia e no dia seguinte, senti a área um pouco dolorida, tanto por fora, quanto por dentro, como se tivesse com a garganta prestes a inflamar. Fora isso, tudo normal.

Nota: o atendimento na AFAC é realmente demorado: a punção estava marcada para 17h e só fui ser atendida após às 18h, quando já não tinha mais ninguém na sala de espera, mas acredito que valeu a pena. Nada como passar de boas por essa! : )

Recomendo: AFAC – PAAF de tireóide em Salvador

A descoberta – Parte II

Quando recebi meus primeiros exames e me deparei com o nódulo na tireóide, fiz o que todo mundo faz: pesquisei no Google. Li que em 90% dos casos os nódulos são benignos e só exigem acompanhamento mais próximo. Otimista (como sempre), acreditei que estaria entre estes e parei minhas leituras por aí.

Era o fim de uma manhã de quinta-feira quando peguei o resultado da punção aspirativa por agulha fina (PAAF), conhecida por ser melhor maneira de determinar o tipo de nódulo. Por  imaginar que não teria maiores complicações, fui sozinha e sozinha estava quando abri o envelope e li:

Blá blá blá blá blá blá linguagem médica que não entendo blá blá blá blá blá… Compatível com Carcinoma Papilífero (categoria VI da Classificação de Bethesda). 

Xiiii!

Não é preciso ser muito esperto pra saber que a palavra “carcinoma” não pode ser coisa boa, né? Na hora, senti uma onda de choque que foi do cabelo ao dedo mindinho do pé, mas me mantive calma e pesquisei no celular (um beijo para a internet móvel). O que li:

Tipos de Câncer de Tireoide

Carcinoma papilífero  (o “meu”) – É o tipo mais comum. Pode aparecer em pacientes de qualquer idade, porém predomina entre os 30 e 50 anos. Devido à longa expectativa de vida, estima-se que uma entre mil pessoas tem ou teve este tipo de câncer. A taxa de cura é muito alta, chegando a se aproximar de 100%.

Carcinoma folicular – Tende a ocorrer em pacientes com mais de 40 anos. É considerado mais agressivo do que o papilifero. Em dois terços dos casos, não tem tendência à disseminação. Um tipo de carcinoma folicular mais agressivo é o Hurthle, que atinge pessoas com mais de 60 anos.

Carcinoma medular – Afeta as células parafoliculares, responsáveis pela produção da calcitonia, hormônio que contribui na regulação do nível sanguíneo de cálcio. Esse tipo de câncer costuma se apresentar de moderadamente a muito agressivo, sendo de difícil tratamento.

Carcinoma anaplásico ou inmedular – É muito raro. Porém é o tipo mais agressivo e tem o tratamento mais difícil, sendo responsável por dois terços dos óbitos de câncer da tireoide.

Fonte: SBEM – Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

Ou seja: apesar de já ter uma poça de lágrimas no meu colo, eu tinha que comemorar! Dentro do possível, estava numa situação “confortável” perto do que poderia ser e isso me tranquilizou o suficiente para poder dirigir de volta pra casa. Lógico, passei o resto do dia chorando e quase chorando, mas com o passar do tempo, junto com o apoio inicial e a cada nova informação que encontrava, melhorei ao ponto de ir para a academia no mesmo dia.