Sobre a relatividade do tempo e os sinais

Uma semana de férias = 72 horas
Uma semana de espera = 54969168216 dias

Pois é. Passava o São João, a Copa das Confederações, chegava o nasce-o-sol-ao-Dois-de-Julho, mas não o dia da consulta com o segundo cirurgião. Pelo visto, uma das várias lições que devo aprender com tudo isso é: “sossega!”. Sinceridade? É como pedir calma para uma pessoa histérica e ter como resposta um sonoro: “MAS EU ESTOU CALMA!”.

"Keep Calm" é o caralho!

Tic-tac-tic-tac.

A ansiedade era tanta que até sonhei. Na ocasião, o médico olhava os exames e dizia “antes de fazer a cirurgia, você deve fazer mais exercícios e a gente fica acompanhando pra ver se some”. Até o sonho trazia a espera nas entrelinhas. Ou talvez não. Na verdade, acabo vendo sinais em quase tudo e imagino que deva ser assim com qualquer pessoa que esteja em um momento decisivo ou marcante da vida.

Bom, chega de divagação, né? Vamos ao que interessa!

Dr. Augusto Mendes foi recomendado por três pessoas diferentes: uma vizinha, a endocrinologista e uma amiga cuja irmã passou pelas mãos dele em um caso semelhante ao meu. Munida destes depoimentos favoráveis, cheguei ao consultório com muitas expectativas. Ele passou segurança e olhou meus exames com calma. Até que: tcharãaaaan! Também não opera pelo Bradesco Saúde Enfermaria. De toda forma, indicou uma especialista da equipe dele que realiza o procedimento e ficou acertado que seria assim. 

Voltei para a sala de espera, pois faria uma laringoscopia assim que ele terminasse de atender aos pacientes que restavam na clínica. Quando voltei do exame, minha mãe tinha conversado com a secretária, Maria, sobre quais as possibilidades de operar com ele e juntas encontraram uma solução.

Apesar disso, em um primeiro momento, a ideia era seguir para a terceira consulta com um especialista. Passou-se um dia e meio e aí entram, mais uma vez, os benditos sinais que a gente começa a perceber. Acordei de uma preguiçosa soneca da tarde e, por ter sentido segurança nele, que seja com ele.

 "Estou tendo aquele sentimento estranho novamente"


“Estou tendo aquele sentimento estranho novamente”

A rouquidão temporária ou permanente é um dos riscos da cirurgia e o meu maior medo (atual). Já que o médico veio tão bem recomendado e me passou segurança, que seja com ele. Fim do capítulo: nova consulta com Dr. Augusto em 09 de julho. Levarei os exames que estou fazendo e provavelmente será marcado o dia de entrar na faca. Eba! =)

Anúncios

Frustração e um pouco de esperteza

Durante o fim de semana, revirei a internet em busca de maiores informações sobre o tratamento do tal carcinoma papilífero. O que encontrei: muitos relatos de pessoas que só vieram a descobrir a malignidade do tumor após a cirurgia. Ou seja: detectaram o corpo estranho, marcaram a cirurgia e pronto. O problema maior só foi descoberto quando a pessoa já estava livre dele. Saber que meu caso era diferente e que eu ainda trazia o treco dentro de mim me deixou cheia de perguntas e com uma semi-raiva direcionada aos médicos que não me encaminharam logo para a cirurgia, assim como tinha acontecido com outras tantas.

Bom, passada esta etapa, começou a inquietação. Por mim, operaria na segunda-feira! E foi com este sentimento de “já pode ser na semana que vem?” que fui à consulta com um cirurgião de cabeça e pescoço, no Hospital São Rafael.

Pra encurtar o caminho: ele nos passou informações gerais acerca de duas cirurgias: a normal e a minimamente invasiva. Qualquer pessoa opta pela segunda opção, né? Mas essa só é feita de forma particular, a um custo de R$ 4.000. “Ok, ok… então vamos ficar com a primeira opção”, pensamos eu e minha mãe. O X da questão: ele não opera pelo procedimento dito “normal” em planos da categoria enfermaria. ¬¬”

Ou seja: mesmo sabendo que meu plano não dava cobertura ao procedimento naquele hospital, a consulta foi mantida (e paga pelo convênio!). Além disso, perdemos tempo e gasolina nos deslocando até o São Rafael. =(

Tô de olho!

Tô de olho!

O próximo passo: outra consulta, com outro cirurgião, agendada para o dia 25. Vamos ver no que vai dar…